Loading
KADISH
O tirano morreu, viva o tirano!

Deslizando pelo veludo da noite légua após légua numa insónia feita prazer e urgência: o tirano morreu.

Após uma vida bem preenchida a submeter os outros à sua vontade sucumbiu ao que não podia dominar, apagou se num sono em que lhe faltou a vigilância permitindo que a ceifeira, que de nós teve dó, o levasse.

Estranha leveza ao entrar no palácio, um silêncio palpável e nervoso, um suspiro geral de gentes e coisas aliviadas.
Um frenesim de destruição das armas de mando, dos símbolos da nossa escravatura, numa alegria nervosa de quem ainda não tomou a medida certa à liberdade. Uma apropriação do espaço interdito, aos solavancos, como pequenas vitórias conquistadas sem nelas plenamente acreditar.

Funeral. Ritual institucionalizado em que os piores se tornam os melhores, em que se ouvem laudas sobre um desconhecido horizontalmente esparramado no derradeiro trono que nada tem em comum com o mandão vertical que temos em mente.
Palavras ocas sobre um reino do além em que ele não mandará mas será bem acolhido e na utopia do qual não o reencontraremos num futuro certo.

Castelo que desmontamos pedra a pedra, despersonalização dos símbolos duma religião castradora e inquisitória que nunca foi nossa mas à qual nos era difícil escapar, dispersão necessária, banho lustral das nossas mentes em reconstrução.


6 comments

cortomaltese91 said:

même avec une traduction sommaire, ça garde de sa saveur !! :)
8 years ago ( translate )

Armando Taborda said:

A morte é o acto mais democrático da vida. Ninguém lhe escapa, mesmo que perdure na história por alguns séculos.

Os tiranos, enterrados, são iguais a todos os santos e pecadores.

O alívio de que falas é temporário. Há sempre outro tirano à nossa espera!

O TIRANO MORREU, VIVA O TIRANO!
8 years ago ( translate )

Xata replied to Armando Taborda:

Mas pelo menos este, que era o nosso (do JP e meu) pessoal, já cá não canta... restam nos os homens políticos que são os tiranos de todos...
8 years ago ( translate )

Armando Taborda replied to :

:)
8 years ago ( translate )

Luíz Mourão said:

Que descompressão! Vê-se, a olho nu, que o teu processo mental que envolvia o "tirano, perdeu imenso peso. Há como que um regresso do espírito à sua silhueta matricial. Se há ocasiões de festejo, esta foi uma a não perder. Uma espécie de 25 de Abril mental!
8 years ago ( translate )

Xata replied to Luíz Mourão:

Pode se estabelecer um paralelo!
Foi um peso pesado que me foi tirado, e ganhei mais liberdade que….
8 years ago ( translate )